sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O Renascimento expandindo seus horizontes


Falarei um pouco mais sobre essa maravilhosa técnica de cura física, mental e espiritual que a cada dia que passa, vem transformando a vida de várias pessoas e expandindo a consciência de forma inimaginável.

O que é Renascimento?

O renascimento nada mais é que uma técnica de respiração consciente e circular. Consciente porque a pessoa apenas deve prestar atenção na respiração, respirando de forma profunda e relaxada. Circular por não haver intervalos entre a inspiração e expiração.

Renascimento é terapia?

Renascimento é sim uma terapia transpessoal, que necessita do acompanhamento de um terapeuta renascedor. O Renascedor é um profissional liberal que curou seu trauma de nascimento, sabe os princípios metafísicos e psicológicos do renascimento, assim como, as técnicas de entrevista e abordagem ao cliente. O renascimento é um processo que depende exclusivamente do cliente. O terapeuta apenas conduz e ampara o renascido no processo, permitindo a pessoa se entregar completamente e então, gerando resultados positivos. É importante salientar aqui que não é um processo que você pode fazer uma sessão ou duas. Renascimento é uma terapia de respiração na qual trabalha na liberação de padrões ou memórias negativas do subconsciente, portanto é um ciclo. Para completar este ciclo é necessário aproximadamente 10 sessões. É muito importante que o terapeuta saliente isso, pois uma vez aberto este ciclo, a interrupção pode trazer resultados negativos e uma má impressão do processo, além de ampliar o trauma de respiração (falarei sobre os traumas mais abaixo).

Existe alguma contra-indicação?

Qualquer pessoa pode fazer, desde jovens até idosos. Renascimento envolve apenas respiração. Restrição e cuidados para pessoas com problemas cardíacos avançados e/ou problemas de acidente vascular cerebral (AVC).  

Renascimento é religião?

O renascimento não tem nenhuma ligação com religiões. De forma mais holística, é uma prática de cura espiritual, onde você entra contato com seu EU, com a Unidade, com Deus, sentindo ao final de cada sessão uma enorme paz, serenidade e leveza, expandindo sua consciência, elevando sua auto-estima.

Todas as pessoas possuem trauma de nascimento?

Praticamente todas. No caso do ocidente, pode-se dizer que todas. A criança que nasce livre do trauma vem de um parto não-dolorido e de pais também livres do trauma de nascimento, além de serem muito amorosos e conscientes. Parece impossível? Mas não é! No oriente algumas mulheres têm seus filhos no campo, enquanto trabalham e quando sentem o momento do parto, sentam-se debaixo de uma árvore e tem seu parto ali, sozinha, sem maiores problemas. Para e olhe para a natureza. Já viu algum animal mamífero se contorcendo de dor, berrando ou coisa do tipo? A dor vem da tensão e a tensão vem do medo. Portanto o medo causa a dor. Os tipos de parto também provocam traumas diferentes. Como exemplo, o parto cesário (operação cesária), adorado por médicos e mulheres por ser prático (marca dia e hora) e não doloroso (que não levam em consideração o risco da anestesia e a recuperação da paciente), porém gravíssimo para a criança. Imagine: a criança pela 1º em sua vida vai tomar uma decisão: NASCER. Então ela é privada disso e alguém toma a decisão por ela. Algumas crenças pessoais são criadas nesse momento e levadas para a vida adulta como: “tudo que planejo no fim não acontece” ou “as pessoas tomam decisão por mim”. Medo e insegurança podem tornar-se o lema pessoal dessas pessoas. Um estudo nos anos 80 comprovou que 80% de jovens drogados nasceram de parto cesário. Por quê? Já pensou que para nascer e se sentir o carinho da mãe o bebê deve passar pela sensação da anestesia? “a droga me traz conforto”. Nos casos onde a educação e amor dos pais são compensados o trauma ainda pode levar a dependência de emoções, apego demasiado aos pais, menor imunidade às doenças. Alguns casos também comprovados que reduz a libido (dificuldade de orgasmo – principalmente em mulheres). O parto normal é visto pelo mestre Osho, como o primeiro orgasmo sentido pela criança e pela mãe. A criança privada do parto normal pode ter grandes tabus em relação à sexualidade. Todos os sintomas apresentados podem acontecer ou não – não são verdades absolutas, porém, são algumas possibilidades de desvio de personalidade que a operação cesária pode trazer.

Mesmo quem nasce de parto normal tem consigo uma série de possíveis traumas. Entre eles o da dor, “a vida é uma luta”, rejeição (engano ao sentir a raiva da mãe devido à dor), “as mulheres me odeiam”, “não sou bom o suficiente”; o trauma da respiração que é o mais comum entre qualquer tipo de parto, devido à pressa dos médicos em cortar o cordão umbilical (que transporta oxigênio para a criança), levando a criança sentir-se sufocada e obrigando-se a respirar e isso causa dor e ardência do peito da criança, levando a criar crenças em relação a vida e à respiração; “a vida é uma luta” (novamente), “respirar é doloroso”, “relaxar é perigoso”. A maioria das pessoas respira de forma incorreta. Repare em sua respiração: é profunda? Você respira até a parte inferior dos pulmões? Costuma pegar resfriados facilmente? Costuma estar sempre cansado ou com fadiga? São alguns dos sintomas de quem não respira plenamente.

Outros muitos traumas estão relacionados à concepção (se a criança foi desejada e querida ou não), vontade dos pais (querer homem ou mulher), dificuldades financeiras (crenças em relação a dinheiro), ambiente hostil (parentes próximos que julgam ou condenam a gravidez, energia negativa, maus hábitos), medo dos pais, histórico familiar (doenças, acidentes, tragédias, genética), medo ou urgência de morte. Outros tipos de parto: demorado (pessoas que demoram a tomar decisões ou são cautelosas – costumam deixar tudo para última hora), rápida (pessoas elétricas, sem paciência), parto de fórceps (pessoas nervosas, precisam de ajuda para tomar decisões e que tem muitas dores de cabeça e/ou enxaquecas), parto com cordão umbilical enrolado no pescoço (pessoas que se sentem sufocadas pelo mundo ou pelas pessoas ou em ambientes fechados).

Não se apavorem! A boa notícia é que o renascimento pode curar todos esses traumas!

RESPIRAÇÃO x REPRESSÃO (OSHO)

Uma vez perfeita a respiração, tudo o mais entra nos eixos. Respiração é vida, mas as pessoas ignoram, não lhe prestam nenhuma atenção. E toda mudança que acontecer, acontecerá através da mudança em sua respiração.

 Todos respiram de uma maneira errada, porque toda a sociedade está baseada em condições, noções e atitudes muito erradas. Por exemplo, uma criancinha está chorando, e a mãe lhe diz para não chorar. O que a criança fará? Ela começará a prender a respiração, porque essa é a única maneira de parar de chorar. Se você prender a respiração, tudo pára: o choro, as lágrimas, tudo. Então, aos poucos isso se torna fixo – não fique com raiva, não chore, não faça isso, não faça aquilo.   A criança aprende que, se ela respirar superficialmente, permanecerá no controle. Se ela respirar perfeita e totalmente, como toda criança nasce respirando, ela se tornará selvagem. Assim, ela se mutila.  Toda criança brinca com seus genitais, porque a sensação é prazerosa. A criança não está ciente dos tabus e das tolices sociais, mas, se a mãe ou o pai a vêem brincando com os seus genitais, eles lhe dizem para parar. Uma grande condenação está nos olhos dos pais, e a criança fica chocada e com medo de respirar profundamente, porque, se respirar profundamente, a respiração irá massagear seus genitais por dentro. Isso se torna problemático, e ela deixa de respirar profundamente; sua respiração fica superficial e, assim, ela se isola de seus genitais. As pessoas de todas as sociedades sexualmente reprimidas têm a respiração superficial.

Respiram perfeitamente somente as pessoas que não têm uma atitude repressiva em relação ao sexo. Sua respiração é bela, completa e inteira. Elas respiram como os animais, como as crianças.





Como o renascimento cura os traumas?

Primeiro ponto a ser compreendido é que nossas memórias traumáticas não estão apenas gravadas no cérebro. Por exemplo, onde você sente medo, ansiedade? Provavelmente na região do estômago certo? Quando você sente uma perda ou está brigando com o companheiro, onde sente? Provavelmente no abdômen, na região do ventre. Quando você é ferido sentimentalmente? No coração. Quando sente muita raiva? O corpo fica tenso. Portanto entenda que quando temos um acesso seja de raiva, de medo ou perda ativamos no cérebro a memória que em milissegundos bombardeia o corpo com peptídeos com a química responsável pelas sensações corporais, dando a pessoa ou tensão ou adrenalina, endorfina, entre outros, de acordo com o sentimento. É compreensível e explicável, que da mesma forma que uma pessoa se vicia em bebida ou drogas, vicie-se também em sentimentos negativos. Se você é acostumado a perder a paciência é porque é viciado nisto. Se você se sente sempre como “frágil”, “sensível” (drama), que você é sempre o acusado e apontado, é bem provável que seja viciado neste tipo de sentimento.

Compreendido que nosso corpo acumula químicas relacionadas aos traumas, então o renascimento não mais é como uma forma de desintoxicação do corpo, das diversas químicas, bombardeadas pelas supressões e repressões ao longo da vida, desde a concepção. Quando renascemos, a respiração profunda e conectada leva grandes quantidade de oxigênio por todas as células do corpo, purificando-as. As células contaminadas pelas “químicas” de sentimentos negativos são como que “ativadas” por um momento, levando a pessoa a reviver esses sentimentos mesmo que subconscientes. Então a pessoa pode vivenciar as mais variadas sensações: formigamento e tetania (associado a tensão, raiva, dor – também provocada pela hiperventilação), calor ou frio intenso, dores localizadas, ardência do peito, choro, risada, entre outros como memórias visuais (inclusive de bebê, ainda dentro do útero, entre muitas outras não conscientes). A pessoa que revive o nascimento geralmente entra em posição fetal (lembrando que o renascimento é feito no chão, de barriga para cima), demonstrando braços comprimidos, muito esforço físico, respiração acelerada e curta e então o terapeuta faz sua parte, segurando travesseiros ou uma coberta ao redor da pessoa e então na maioria das vezes a pessoa se empurra (portanto renasce literalmente), e como um bebê, chora, tem a primeira respiração profunda (geralmente com ardência ou tosse), porém, com todo amparo do terapeuta, dando completa sensação de segurança e sentindo o ar enchendo os pulmões por completo, sem nenhuma limitação, percebendo e liberando uma série de tabus e crenças relacionadas ao momento do nascimento.

Uma vez vivenciado seja o que for, desde uma simples dor, formigamento, até a memória do nascimento, a pessoa então relaxa completamente, mantendo uma respiração contínua, suave e lenta (sempre induzida pelo terapeuta) o que é chamado de “integração”. A integração é muito importante no renascimento, pois é o processo que realmente equilibra tudo que foi vivenciado durante a respiração profunda. Costumo ver da seguinte forma: imagine que uma parte sua negativa foi liberada de seu corpo energético e então, portanto, fica uma lacuna vazia, para preenchê-la com energia positiva é necessário a integração.  O renascimento pode ser visto também como uma “borracha”, apagando memórias negativas de nosso corpo energético. É curioso, pois relato coisas incríveis de meus renascidos. Tive um caso onde a pessoa era agitada, tinha muita dificuldade para dormir e usava remédio para isso. Depois de algumas sessões, pedi como estava dormindo a noite e então: “estou dormindo maravilhosamente bem e com facilidade”, passado alguns segundos “nossa! não lembrei mais de tomar o remédio!”.  Veja que a pessoa esqueceu que praticava o ato “tomar remédio para dormir” e também se tornou muito mais calma. Eu poderia relatar inúmeros casos, inclusive muito mais curiosos e fascinantes, mas é uma experiência única para cada pessoa e só quem vivencia isso, pode relatar tamanhas mudanças em suas vidas.

Quais os benefícios do renascimento?

A pessoa que renasce tem sua vida completamente renovada. Os benefícios vão desde a cura física, até mental e espiritual. O renascimento cura traumas, liberta você de tabus e crenças enraizadas, amplia seus horizontes de consciência, passando a viver de forma mais religiosa, em comunhão com o planeta, com a humanidade.  O renascimento libera o medo ou trauma de “urgência de morte”, tornando a pessoa mais viva e consciente de que a vida é aqui e agora e que somos imortais. A pessoa renascida melhora seus relacionamentos seja na esfera familiar, afetiva ou profissional, cura karmas familiares, melhora sua convivência consigo mesmo, pois você passa a se conhecer melhor. Respirar é viver abundantemente! Quando você aprende a respirar, passa a ter mais energia, serenidade, criatividade, aprendendo a relaxar, a se comunicar melhor e viver uma vida mais feliz e consciente.

Renasça! Amplie seus horizontes e viva uma vida muito mais consciente e feliz!

Vinícius Casagrande Fornasier – Terapeuta Renascedor

3 comentários:

  1. Estou na metade da terapia e já recomendo. Realmente, faz a diferença!
    Ainda mais com esse terapeuta, que entende muito e é apaixonado pelo que faz.
    Parabéns pelo texto, Vini...super bacana!
    Abração!!
    Fran.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde! Eu já fiz uma vez e achei interessante, mas gostaria de saber se no caso de a pessoa ter algum "trauma" mais profundo essa técnica feita sem acompanhamento pode causar algum problema??? Muito obrigada

    ResponderExcluir
  3. Andrea me desculpe mas se vc procura um profissional q acompanhamento mais vc quer???

    ResponderExcluir