sexta-feira, 6 de maio de 2011

Tantra: o encontro com você


Hoje falarei sobre o Tantra, palavra do sânscrito, que significa “caminho”. É importante primeiramente dizer que Tantra não é terapia, nem crença, religião ou um método para alcançar algo. Relatarei minha experiência pessoal no Tantra e do recente grupo de Tantra que aconteceu na Pousada Fornasier, entre 29 de abril e 1 de maio de 2011, com a presença da mestra kimaya e também da facilitadora e coadjuvante Ma Bodhy Premal.

Tantra é algo a ser vivenciado. É um caminho para a descoberta de nosso corpo. Tantra também pode ser sinônimo de transformação ou mutação. No Tantra você compreende seu corpo e o transcende.

“Para o Tantra, vivencie: não há outro conhecimento.” (OSHO)

Particularmente descobri o Tantra em 2005, com minha mestra Ma Bodhy Premal, a qual me concedeu muitos ensinamentos, como o Reiki (da linhagem original Usui), o tarô e principalmente todo conhecimento referente ao meu mestre espiritual Osho (meditações dinâmicas). Nesta mesma época, devido à intensidade de minha transformação espiritual, um aspecto ficou muito confuso em minha vida: o sexo.

Devido à magnitude da elevação espiritual que obtive em 2005, certo desequilíbrio tornou-se presente em mim. Costumo usar os sinônimos “terra e céu” para diferenciar a energia da Terra do Universo (Cosmo, Divino). Eu estava demasiadamente “céu”, então passei a não aceitar a forma que a sociedade vive – tornou-se difícil “viver” aqui na Terra. Quando você compreende o mundo espiritual, o mundo terreno se torna um inferno. E em minha percepção naquele momento, o sexo parecia ir contra a espiritualidade. Era confuso. Acabei rompendo um relacionamento na época e fiquei sozinho por alguns meses. Então no final daquele ano, numa consulta com a Premal, relatei sobre esses pensamentos e a resposta foi uma longa risada! Foi então que comecei a ler sobre o Tantra (Osho) e fiz 21 dias de meditação Kundalini (Osho). Passado pouco tempo, a compreensão aconteceu em um relacionamento iluminado que tive. Finalmente havia compreendido o que significava “transcender o sexo”, como Osho descreve nos livros.

A sexualidade é a maior manifestação energética de nosso corpo. Ela encontra-se basicamente ligada ao 1º Chakra (base da coluna e órgãos sexuais) e o elemento é terra. O 1º chakra é simplesmente responsável por nascemos e morrermos – é nossa fonte de energia primordial, também conhecida como Kundalini. É importante entender que a essa energia deveria naturalmente circular por todos os chakras, chegando ao topo da cabeça (7º chakra) e transbordando. Quando isso acontece, nos iluminamos.



A Kundalini é uma energia muito poderosa. Alguns relatos que recordo ler em livros sobre o assunto dizem que, a manifestação ou “o despertar” da Kundalini em processos de transformação espiritual, manifestava-se de uma forma violenta, a ponto de a pessoa ficar doente e insana. A repressão da sociedade, relativa ao sexo, sempre foi muito presente. De geração em geração essa repressão deu origem a crenças e tabus muito fortes, que geram o bloqueio da Kundalini. A pessoa que possui esse tipo de bloqueio tem pouca energia, não demonstra vitalidade, adoece facilmente, vive uma vida amarga e sem prazer.

As práticas utilizadas num curso de Tantra são basicamente respiração, meditação e dança. Para você vivenciar o Tantra é preciso liberar toda a repressão e supressão. A Kundalini precisa ser despertada. Quando falo em respiração, falo em Renascimento. A respiração do renascimento também cura e libera traumas, crenças e tabus referentes à sexualidade. Uma das mais importantes meditações para isso é a Kundalini meditation – uma técnica de meditação dinâmica de Osho que utiliza de movimento (tremor), dança e silêncio. Todas as demais meditações dinâmicas de Osho levam à compreensão e consciência do corpo. A dança nada mais é que movimento. Quando soltamos o corpo e permitimos que se expresse livremente, a Kundalini se move e sentimo-nos vivos, sentimos intensidade e amorosidade.

O importante a ser compreendido é que não há como se iluminar sem transcender o sexo. A conexão com o Divino acontece através do chakra coronário (7º). Para que possamos entrar em contato com essa energia é necessário que os chakras estejam abertos e que a Kundalini circule. Se reprimirmos ou suprimimos o sexo, automaticamente nos bloqueamos para Deus. A porta de entrada para o paraíso de Deus é o sexo. Você só descobrirá isso transcendendo o sexo e quando acontecer, perceberá que na verdade somos Deus, somos criadores e que não somos algo separado de Deus.

O sexo é natural e encontra-se por toda parte. Você vê sexo entre árvores, flores, animais e nem por isso julga como algo estranho. A vida na Terra depende de sexo. Sexo é vida.

Quando isso for superado, então podemos atingir o chamado Samadhi. Significa “orgasmo cósmico”. É um estado profundo de prazer e de religiosidade – é o contato direto com Divino que está dentro de nós. É possível chegar ao Samadhi através da meditação.

Tantra é a compreensão do sexo, mas não é uma forma de relacionamento sexual. Há quem pense, que nada mais é que uma técnica para prolongar o orgasmo. Os resultados para quem busca autoconhecimento e iluminação incluem, dentro da linha do Tantra, benefícios para a sexualidade. Tantra é ser presente no aqui e agora. É viver intensamente e conscientemente. É reconhecer que somos divinos e maravilhosos. É ter consciência do corporal. Tantra é um estado de não-mente.

O tantra realmente amplia a qualidade do sexo. É muito simples. As pessoas normalmente são muito mentais e, portanto, visuais. É preciso sentir. No Tantra adquirimos maestria do corpo – uma consciência profunda de tudo que sentimos. Quando abandonamos a mente e apenas sentimos, imediatamente entramos em um estado profundo de prazer e consciência. No caso do homem, a ejaculação não é mais um objetivo e sim uma opção, pois o prazer em sentir é enorme. Para a mulher significa entrar em constante estado de orgasmo ou orgasmos múltiplos.

A vivência “Tantra I” com Kimaya foi realmente uma oportunidade de cristalizar o amor dentro de mim e poder assim, ampliar o autoconhecimento. É uma vivência extremamente recomendada para casais e mulheres. Para casais, pois reaviva completamente a relação, tornando ambos muito mais amorosos e donos de si mesmos. Significa a consciência individual de cada um e a consciência que os dois são um espelho um do outro. Melhora a qualidade da relação em todos os sentidos. Segundo Kimaya, o Tantra é recomendado para mulheres, pois devido a toda repressão ao longo das gerações, muitos tabus e crenças foram enraizados e é preciso libertar-se para viver em amor, paz e harmonia.

Tantra é amor. E o amor só é encontrado dentro de nós. Você reconhece o Divino dentro de você. O Tantra amplia a compaixão, o cuidado, o carinho com você e com o planeta. Celebre a vida, viva o Tantra! Eu recomendo!

Vinicius Casagrande Fornasier



Sobre Kimaya
Kimaya é brasileira residindo no exterior há 20 anos. Formada e treinada em experiências humanistas mais amplas incluindo tradições modernas e antigas na arte da cura, liderando grupos na Multiversity de Pune, Índia. Vem ministrando regularmente seus treinamentos e cursos em diferentes países da América, Europa e Ásia, como, Alemanha, Itália, Índia, Canadá, Ucrânia, México, China, Grécia, Espanha e Turquia. É seu primeiro retorno ao Brasil desde então.





Leituras recomendadas: OSHO. Tantra: a suprema compreensão
                                        OSHO: Relacionamento, amor e liberdade


Sobre Chakras: Assista a sequência:
http://www.youtube.com/watch?v=gEFM6QT0vzU (1)
http://www.youtube.com/watch?v=nEU7pE8zeAc&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=6I0U-9fo1P0&feature=related