sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

A dimensão dos sonhos durante o processo de renascimento



Como compreender nossos loucos sonhos? Diariamente sonhamos. Algumas vezes lembramos, outras não; sentimos muitas vezes ter sonhado por ter uma noite agitada, acordando cansado e sem saber por que. Pesadelos também nos impressionam e geram medo, mas também são apenas sonhos. Os sonhos têm significados diferentes de acordo com a dimensão e profundidade em que ele é processado. O objetivo deste texto é compreender a dimensão dos sonhos durante o período de transformação através da técnica de renascimento. Para ficar mais claro, os sonhos que transcorrem durante as semanas em que a pessoa está em processo e não durante a sessão propriamente dita.


Obviamente existem várias explicações psicológicas para os sonhos, porém, a visão que darei aqui será do meu ponto de vista como terapeuta, pela análise consciente de meus próprios sonhos ao longo dos anos, das minhas vivências xamânicas e todo processo de transformação que tive com mais de cem sessões de renascimento e, da visão de alguns mestres como Osho, que transcende a visão freudiana para um nível mais espiritualizado.

Quando penso em sonhos que tive, o primeiro que me vem em mente é um sonho que tenho desde criança e que de tempo em tempo se repete. É um sonho que acorre quando estou acordado, consciente, uma espécie de delírio. Na infância lembro que ocorria sempre que eu não estava bem, geralmente acompanhado de febre. Sabe-se que são normais delírios quando se tem febre, porém, o interessante é que é sempre o mesmo sonho que me ocorre e, algumas vezes, sem febre. Esse sonho é como ver tudo se movimentando muito rapidamente a ponto de o corpo desestabilizar, sentindo uma sensação de rigidez, dureza, como se fosse jogado de um lado para o outro e ao mesmo tempo, estático e confortável – algo bem louco! É um tanto desagradável, mas o que percebo é um simples estresse do corpo. Quando o corpo precisa repousar, mas a mente está muito ativa – uma espécie de não-sincronia entre corpo e mente. De acordo com OSHO (2003), é um tipo de sonho que é processado no nível físico, por estar ligado a um desequilíbrio do corpo específico. Há muitos sonhos que se processam no nível físico. Simplesmente se você estiver dormindo e alguém colocar um pano úmido sobre você é bem provável que sonhe com água, em estar num rio ou algo do gênero. Assim como se dormir de estômago cheio ou mal estar relacionado ao mesmo, sonhará com isso ou então, terá algum tipo de pesadelo sem sentido, mas sempre no nível físico. Enfim, qualquer desconforto ou mal estar corporal tem e tendência de gerar algum tipo particular de sonho, porém são sonhos do nível físico ou consciente.

Segundo OSHO (2003), temos sete corpos: o físico, o etérico, o astral, o mental, o espiritual, o cósmico e o nirvânico, cada um com seu tipo particular de sonho. “O corpo físico é conhecido na psicologia ocidental como o consciente, o corpo etérico como o inconsciente e o corpo astral como o inconsciente coletivo.” (OSHO, 2003, pg.70) O corpo etérico pode viajar nos sonhos. São sonhos onde você acessa pessoas, cores, cheiros, mundos diferentes de forma consciente ou não. O sonho etérico ou as viagens etéricas podem ser atingidos também através da meditação (OSHO, 2003, pg.71). Já no nível astral a pessoa acessa seus nascimentos anteriores ou outras vidas. Esse tipo de sonho costuma ser confuso, com pessoas e lugares muito diferentes e dificilmente irá entendê-los. “Na psicologia junguiana, os sonhos astrais são conhecidos como inconsciente coletivo” (OSHO, 2003, pg. 73). De acordo com o autor, esse tipo de sonho se processa em pessoas mentalmente doentes, ou em estados patológicos. Obviamente ela pode estar sonhando e acessando vidas anteriores, porém ela não acreditará e muito menos outras pessoas acreditarão. No corpo mental, a viagem pode ser tanto para o passado como para o futuro. Algumas pessoas possuem esse tipo de acesso, podendo ter um vislumbre do futuro, porém, isso tipo de sonho pode misturar-se a um sonho comum e você não compreender a mensagem que lhe foi dada. De acordo com o autor, é necessária a compreensão dos corpos e das possibilidades de sonhos para poder identificar esse tipo de acesso. No quinto corpo, o corpo espiritual, a barreira do tempo é quebrada e a pessoa acessa a eternidade. As pessoas que conhecem o quinto corpo podem sonhar simultaneamente (OSHO, 2003, pg.75). Os sonhos relacionados ao quinto corpo possuem acesso à criação, mas não a respeito do indivíduo. No corpo cósmico (sexto corpo), é ultrapassada a linha do consciente/inconsciente, da matéria/mente. Segundo o autor, é um tipo de sonho que transcende tempo e espaço, mas onde é possível identificar algo – existe linguagem. “Aqueles que têm sonhado na dimensão cósmica têm sido os criadores dos grandes sistemas, das grandes religiões (OSHO, 2003, pg.75). E finalmente no corpo nirvânico é ultrapassado a barreira do positivo para o nada. É uma dimensão infinita, sem sons, sem formas – apenas vácuo. Portanto os sonhos mais comuns que acessamos pertencem ao corpo físico, etérico, astral e mental.

Durante um período de transformação espiritual, como o renascimento, é bastante comum ter sonhos e pesadelos. É preciso entender que quando passamos por um processo desse tipo, a cura e libertação de karmas e traumas se processam em diversos níveis, tanto no corporal, estéreo, astral, mental e espiritual. Durante o sono, temos a oportunidade de nos deslocarmos do corpo (o espírito) e fazer viagens por várias dimensões e, na minha ótica de compreensão, é a forma que encontramos de nos “curarmos”. A cura de um trauma ou karma ocorre em primeiro plano no nível espiritual (sonhos astrais), pois é uma dimensão atemporal. Nesta dimensão, tanto podemos acessar o passado, como o futuro, de forma instantânea. Em minhas vivências xamânicas com o mestre Rowland, isso é perfeitamente explicado. Aproximadamente um mês antes e um depois da vivência, constantemente eu sonhava e tinha pesadelos. O processo de transformação ocorria na dimensão espiritual antes mesmo de eu vivenciar no plano físico. Há pouco tempo encomendei para alguns clientes e para mim mesmo, um total de três frascos de spray de ervas, feitos por terapeutas xamãs, sendo que são feitos especificamente para cada pessoa de acordo com a necessidade. Quando fui pegar, também tinha para eles uma nova encomenda e chegando lá, vejo quatro frascos. Então ela me relata: “quando fui fazê-los, senti que tinha que fazer um a mais, mas não sabia para quem”. Obviamente era para essa pessoa! Então há coisas que não podem ser explicadas mentalmente ou logicamente, pois são intangíveis. Da mesma, os sonhos e pesadelos dos processos de transformação espiritual, são “visões” processadas pela mente, de nossas “viagens” do espírito, durante os sonhos. Porém, as lembranças que temos desses sonhos ou pesadelos são em boa parte desagradáveis. É o que sempre procuro explicar para as pessoas que passam pelo renascimento ou por curas holográficas na linha do tempo, pois é algo normal de acontecer para algumas pessoas, porém, não devemos nos apegar ao que vemos, lembramos ou sentimos, pois é apenas um processo de cura ou de libertação de velhos padrões, karmas ou traumas. Tratando-se de renascimento, a boa notícia é que geralmente isso é bem passageiro, sendo que quando é realizada uma nova sessão, já existe uma superação ou liberação, daquilo que está no nível consciente, fazendo com que a cada sessão a pessoa sinta-se melhor. Vejo que geralmente isso se manifesta nas primeiras sessões apenas, por isso a importância da compreensão do processo. Já vi alguns casos, de conhecidos meus que fizeram renascimento com outros terapeutas renascedores, que passaram por isso e alguns acabaram desistindo depois de apenas duas sessões, por pensarem de forma equivocada que o processo estaria fazendo mal. É preciso entender que tanto sonhos, como estados psicológicos durante uma sessão e outra, são comuns e fazem parte do processo de liberação de memórias do subconsciente. Compreenda que existem dor e sofrimento reprimidos ao longo da vida, a liberação disso ocorre de forma consciente - não pode ser diferente, pois falamos de um processo de cura na raiz do problema e não de uma supressão de problemas. Há diferença entre uma pessoa e outra. Para algumas a conscientização das memórias negativas se dá apenas em sessão, para algumas no cotidiano (situações que fazem relembrar memórias traumáticas), no plano psicológico (sentindo-se triste ou com raiva), para outras no nível físico (cansaço, dores) e no nível dos sonhos para outras.

Sempre quis entender os significados dos sonhos. Estudando e discutindo com outros especialistas no assunto, fui compreendendo como se manifestam e os seus significados. Na maior parte das vezes e, principalmente tratando-se de transformações como citei acima, os pesadelos têm significados positivos. Como exemplo, sonhar com a própria morte, morte de familiares ou até mesmo vendo algum tipo de figura escura, boi, ou algo parecido, significa a libertação de uma parte de alma que influenciava negativamente, a quebra de padrão de comportamento familiar, a superação de um karma ou uma transformação pessoal. Assim como no tarô, a morte é vista como transformação. O que existe, é medo da transformação, medo de transcender. Por incrível que pareça, é cômodo ser apegado e vazio. “O que o rebirthing (renascimento) me ensinou é que a vida é ritmo, é movimento, é transformação; resistir à sua evolução significa uma fonte de tensões e sofrimentos” (LEVADOUX, 1987, pg.47). É preciso deixar o medo de lado e acreditar na mudança – ela já aconteceu no nível espiritual – é preciso permitir que aconteça aqui e agora, na sua mente e no plano físico. O medo da morte também conhecido como “trauma de urgência de morte”, é a uma falsa crença que temos de que somos meros mortais fadados a morrer. Então crescemos e vivemos temendo a morte, fazendo com que vivamos na expectativa futura e lembro a você: a vida acontece aqui e agora! Quando abandonamos as falsas crenças e medos e criamos consciência de si mesmos no aqui e agora, então percebemos a imortalidade. Não falo de acreditar ou pensar que somos imortais. Falo de sentir-se imortal. A pessoa que medita profundamente sonha em planos superiores ao físico, etéreo e astral; não há espelhos, nem karmas – não há dimensão de tempo, os corpos atravessam as barreiras do consciente e inconsciente, atingindo plena paz interior.

As vivências terapêuticas como o renascimento, abrem-nos para novos horizontes de consciência, expandindo e libertando nosso espírito do corpo físico. Tantas coisas negativas deixadas para traz, tanta confusão e brigas, tantos desentendimentos ao longo de vidas e vidas e você só precisa ter coragem de deixar fluir com a respiração e nunca mais acessá-los. O renascimento é uma limpeza de todo o passado, dessa e de outras vidas, de forma muita rápida e prazerosa. “Em 99% dos casos, é um verdadeiro prazer viver a experiência do rebirthing (renascimento). No rebirthing, quando você sofre, é porque se recusa a abandonar o sofrimento, porque quer conservar a qualquer preço o drama e a dor” (ORR apud LEVADOUX, 1987, pg. 50). Os sonhos estão presentes apenas por termos a possibilidade de assistir a toda a Existência de forma consciente – não precisamos viver nessas dimensões – apenas olhar de fora, sem julgar, sem se envolver – apenas aceite e desfrute de seus sonhos!

Vinícius Casagrande Fornasier – Terapeuta holístico e transpessoal

Obras consultadas:       
OSHO. Psicologia do Esotérico. Tradução: Ma Prem Arsha. 6º Ed. rev. São Paulo: Ícone, 2003.                                                                                                    LEVADOUX, Dominique. RENASCER – Uma outra maneira de viver. Editora Icobé. Rio de Janeiro, 1987.